8 de nov de 2012

Slash Feat. Myles Kennedy And The Conspirators em Curitiba 07/11/12!

Vamos enlouquecer no show mais foda da turnê? Juntinhos? -FUCKINGYEP

Ontem, dia 7 de Novembro de 2012, eu, Tiesco Pimentel, presenciei a performance de uma lenda viva do Rock N' Roll mundial. Slash, ex-Guns N' Roses, se apresentou no Master Hall em Curitiba e eu estava lá, pois seu último disco solo, o Apocalyptic Love, e suas performances ao vivo nesta turnê estavam sendo todas sensacionais.

Você pode acessar o meu álbum de fotos do show no Facebook clicando aqui.

Com a banda de apoio de sua primeira turnê solo, os "Conspirators", Slash lançou seu segundo disco e saiu em turnê para promovê-lo. Myles Kennedy, nos vocais, Todd Kerns, no baixo, Brent Fitz, na bateria e Frank Sidoris na guitarra base.

A expectativa era enorme, Slash é um ídolo pra mim, vê-lo tocando foi simplesmente magnífico. A plateia estava sensacional e ao decorrer de todas as 21 músicas tocadas podia se ver muita animação e gritos histéricos.

Após o show de abertura do Edguy, que eu não conheço bem, mas parece ser legalzinho, a preparação parecia não acabar. Técnicos entrando no palco, afinando as guitarras e deixando tudo perfeito para que aquele próximo momento pudesse acontecer.

Quando foi então anunciada a entrada dos membros e a introdução de "Halo" começou a ser tocada, a histeria do público foi imensa. No verso, calmaria, no refrão todos cantando junto, mesmo que sem saber a letra. Após o acorde final, sem tempo para respirar, Brent já puxa "Nightrain" com aquele clássico sino de vaca e mais uma vez o público delira, mas desta vez, sabendo toda a letra.

Com a introdução característica que tem, "Ghost" começa com o grito do público cobrindo o som da guitarra de Slash. Logo depois, Myles juntamente com Kerns e a plateia detonam no refrão de "Standing In The Sun".

"Back From Cali" vem logo depois e marca o primeiro ponto onde Myles deixa a plateia cantar no já clássico "oooOoO" que a música tem. Logo em seguida Brent puxa mais uma conhecidíssma dos fãs, "Mr. Brownstone", onde todos sabem a letra e acompanham incansavelmente.

"Rocket Queen" vem logo em seguida e o primeiro momento solo do Slash começa, fazendo um MOTHERFUCKING ULTRA SOLO de quase seis minutos na transição para a segunda parte da música. A plateia variava entre o silêncio de admiração e os gritos histéricos das notas mais agudas.

"Beggars & Hangers-On", música do Slash's Snakepit, tem uma performance monstruosa com suas variantes entre calmaria e explosão. Logo após, pela primeira vez na turnê no Brasil, é tocada "Carolina", minha música favorita do disco. Não sei quanto aos outros, mas eu simplesmente adorei o fato de terem-na tocado. Sua performance com talkbox ficou melhor até que no estúdio, mesmo Myles não tendo nem sequer tentado alcançar a voz que faz no refrão.

"Far And Away", baladinha, veio depois, carregada pela voz do público que cantava mesmo boa parte não sabendo a letra. Todd Kerns então toma o microfone e canta duas músicas logo de cara, "We're All Gonna Die", música que mesmo desconhecida, estava na ponta da língua da plateia, e "Outta Get Me", do Guns.

Em "No More Heroes" Myles retorna aos vocais, porém deixa o povo cantar uma boa parte do verso da "Starlight", a plateia realmente canta a letra e Myles faz uma cara de "I'm proud of you, son". Destaque para o momento em que Slash arrebenta a corda mizinha pouco antes de solo e mesmo assim não perde a pose, inventando um solo na hora total improvisation barbixas. Depois, pouco antes do fim da música, Slash vai em direção a Myles, que olha para a corda arrebentada e faz uma cara rindo do tipo "Arrebentou de novo, né?!" pra o Slash, que dá uma risadinha.

Um dos pontos altos do show veio logo em seguida, de guitarra nova e com um solinho despretensioso antes, Slash puxa "The Godfather Theme", com a plateia fazendo o riff principal da música por boa parte enquanto o guitarrista fazia sua parte destroçando cordas.

Quem assistiu o show do Rio de Janeiro, lá mesmo ou pelo Multishow, pode ter ouvido alguém gritando claramente "Anastasia" (6:12 desse vídeo) após Slash terminar o solo. Bom, em Curitiba quem gritou fui eu, e segundos depois começa a já marcante introdução dela, que mal se escutava graças aos vários gritos e assobios. Pra continuar o combo de músicas fodas "You're A Lie" começa deixando a plateia em delírios, cantando enlouquecidamente o refrão da música mais famosa do disco.

Não há dúvidas que "Sweet Child O' Mine" foi o momento mais épico do show. O público venerou a introdução, cantou o verso junto à Myles e não satisfeito teve o refrão só pra si. Acabando-se a clássica, Brent e Todd puxam "Slither" onde Myles introduz os integrantes da banda. Juntamente com "You're A Lie" e a "Paradise City", uma das 'bis' do show, "Slither" foi a música que mais levou o público ao delírio, pulando e pisando no pé de outros como se não houvesse amanhã.

Para o bis, Slash volta com uma camisa do Brasil, mas não da seleção, até ele sabe que vestir camisa da seleção é vergonhoso hoje em dia. Foram tocadas então "By The Sword" numa performance melhor que a do DVD Made In Stoke e a já citada "Paradise City" fechando o show, como não podia ser diferente.

Com certeza um show que ficará marcado para sempre em minha vida, não porque eu fui em poucos, mas porque simplesmente a banda destruiu, a plateia destrouçou e Slash mitou. EPIC WIN!

"Be Happy!"... Pois eu estou!! =)

[PS.: Queria agradecer ao moleque que me ajudou a pegar o celular quando eu o derrubei!! Valeu, cara!!]
[PS2: As músicas linkadas não são as do show de Curitiba, mas sim as de outras apresentações ao vivo. Linkei só pra terem uma ideia de como foi!]

Post ao som de: Não ouvia nada!

Nenhum comentário:

Postar um comentário